Como fazer a vida dos deficientes físicos mais livre e acessível

maio 14, 2010 6 Comentários »

Recentemente, os problemas que enfrentam os deficientes físicos estão sendo expostos com mais regularidade na mídia. Isso é muito positivo para conscientizar a população das dificuldades, ensiná-las a lidar com uma pessoa deficiente, mas também para chamar a atenção das autoridades competentes a fim de tomarem medidas que facilitem a vida dessas pessoas.

Nascer ou adquirir uma deficiência física faz com que o indivíduo se torne profundamente dependente de outros. Precisar da ajuda de alguém para tomar banho, escovar os dentes ou comer é algo que traz certo sentimento de angústia e humilhação. É importante lembrar que adquirir uma deficiência pode acontecer com qualquer um. As estatísticas mostram que 80% das pessoas que ficam paraplégicas têm entre 16 e 25 anos, geralmente por acidentes no trânsito causados ou não pelas pessoas que estão conduzindo. Beber e dirigir, ser imprudente, negligente pode levar a consequências muito graves, como a deficiência física. Além de colocar em risco a sua vida, você também está colocando a vida dos outros.

Segundo estimativas do IBGE, há no Brasil 28 milhões de pessoas com deficiência, uma parcela muito considerável da população que enfrenta uma vida de privações. A falta de infraestrutura na grande maioria dos estabelecimentos, como restaurantes, hotéis e cinemas, impossibita que a pessoa com deficiência frequente esses lugares, obrigando-a a mudar seu comportamento.

Locomover-se pelas ruas também é outro desafio. Nas cidades grandes é mais fácil achar ônibus adaptados e equipados, mas no interior a situação é bem mais complicada. Sabendo dessas necessidades, procuro lutar para tornar a vida desses brasileiros mais digna e acessível. Em Guariba, cidade do interior de São Paulo, consegui liberar uma verba no valor de R$ 150 mil para a aquisição de um microônibus adaptado. Com esse veículo, a locomoção dessas pessoas ficará muito mais fácil, devolvendo a elas um bem muito importante para o ser humano: a liberdade de ir e vir.

Sei que isso ainda é pouco, mas é importante que cada um faça a sua parte na inserção dessas pessoas na vida social e no mercado de trabalho. Perder a locomoção de pernas ou braços é algo muito difícil de lidar, mas cada um pode ajudar no que estiver ao seu alcance, seja fazendo doações a instituições especializadas, seja auxiliando um cadeirante a utilizar o transporte público. Como político, intercedo junto aos órgãos competentes para que, mesmo com esses entraves, os deficientes físicos possam viver uma vida com mais dignidade.

Recentemente, os problemas que enfrentam os deficientes físicos estão sendo expostos com mais regularidade na mídia. Isso é muito positivo para conscientizar a população das dificuldades, ensiná-las a lidar com uma pessoa deficiente, mas também para chamar a atenção das autoridades competentes a fim de tomarem medidas que facilitem a vida dessas pessoas.

Nascer ou adquirir uma deficiência física faz com que o indivíduo se torne profundamente dependente de outros. Precisar da ajuda de alguém para tomar banho, escovar os dentes ou comer é algo que traz certo sentimento de angústia e falta de liberdade. É importante lembrar que adquirir uma deficiência pode acontecer com qualquer um. As estatísticas mostram que 80% das pessoas que ficam paraplégicas têm entre 16 e 25 anos, geralmente por acidentes no trânsito causados ou não pelas pessoas que estão conduzindo. Beber e dirigir, ser imprudente, negligente pode levar a consequências muito graves, como a deficiência física. Além de colocar em risco a sua vida, você também está colocando a vida dos outros.

Segundo estimativas do IBGE, há no Brasil 28 milhões de pessoas com deficiência, uma parcela muito considerável da população que enfrenta uma vida de privações. A falta de infraestrutura na grande maioria dos estabelecimentos, como restaurantes, hotéis e cinemas, impossibita que a pessoa com deficiência frequente esses lugares, obrigando-a a mudar seu comportamento.

Locomover-se pelas ruas também é outro desafio. Nas cidades grandes é mais fácil achar ônibus adaptados e equipados, mas no interior a situação é bem mais complicada. Sabendo dessas necessidades, procuro lutar para tornar a vida desses brasileiros mais digna e acessível. Em Guariba, cidade do interior de São Paulo, consegui liberar uma verba no valor de R$ 150 mil para a aquisição de um microônibus adaptado. Com esse veículo, a locomoção dessas pessoas ficará muito mais fácil, devolvendo a elas um bem muito importante para o ser humano: a liberdade de ir e vir.

Sei que isso ainda é pouco, mas é importante que cada um faça a sua parte na inserção dessas pessoas na vida social e no mercado de trabalho. Perder a locomoção de pernas ou braços é algo muito difícil de lidar, mas cada um pode ajudar no que estiver ao seu alcance, seja fazendo doações a instituições especializadas, seja auxiliando um cadeirante a utilizar o transporte público. Como político, intercedo junto aos órgãos competentes para que, mesmo com esses entraves, os deficientes físicos possam viver uma vida com mais dignidade.

thumb

Faça parte da nossa rede

Acompanhe nosso trabalho, opine, pergunte, participe!

- Facebook
- Twitter
- Orkut
- LinkedIn

Posts Relacionados

6 comentários

  1. Selma Moralles 14 de maio de 2010 at 16:13 -

    Confesso que não sei como ajudar, outro dia fiquei olhando aqueles cintos dos ônibus de São Paulo e percebi que não conseguiria prendê-los para ajudar um cadeirante. Essa conscientização dos problemas deles é muito importante, a novela das oito tem ajudado mto nesse aspecto, fico feliz com a iniciativa da Rede Globo.

  2. Marco Antônio Domenico 18 de maio de 2010 at 17:25 -

    Boa iniciativa deputado. Parabéns!

  3. Flavio Maduro 21 de maio de 2010 at 17:35 -

    Este Microônibus para Guariba com certeza esta sendo uma conquista maravilhosa, a cidade não tem nenhum veículo que possa fazer o transporte de cadeirantes e em breve este microônibus estará chegando para facilitar a vida de muitas pessoas aqui da cidade. Parabéns Deputado Rodrigo Garcia pela sensibilidade em entender a importância da acessibilidade às pessoas com deficiência.

  4. Roseli 7 de julho de 2010 at 13:08 -

    Gostaria de saber qual a estatística de deficientes de todos os tipos em José do Rio Preto? Desde já agradeço.

  5. Adeilson Passos 21 de julho de 2010 at 16:04 -

    Boa tarde,

    gostaria de saber qual a estatística de deficientes físicos (cadeirantes) no Estado do Amazonas e também na cidade de Manaus para efeito de estudo.

    Obrigado,

    Adeilson

  6. MAIA 13 de outubro de 2011 at 21:30 -

    BOA NOITE DEPUTADO SOU ESTUDANTE E ESTOU FAZENDOU UMA PESQUISAR PARA SABER A QUANTIDADE EXATAS DE CADEIRANTES NO BRASIL E POR ESTADO, SE PUDER ME AJUDAR.
    MAIAWMF@YAHOO.COM.BR

Deixe sua resposta