ATUAÇÃO

Rodrigo Garcia defende autonomia do Banco Central

9 de abril de 2018

Tendo em vista a importância de se impedir interferências políticas que comprometam a taxa de juros e provoquem a elevação dos índices de inflação, o líder do Democratas na Câmara, deputado Rodrigo Garcia (SP), defende a aprovação do projeto que trata da autonomia do Banco Central.

A discussão sobre a autonomia da autoridade monetária pode avançar nesta semana, quando a Câmara avalia o Projeto de Lei Complementar (PLP) 200/1989. “Embora o tema pareça distante da realidade das pessoas, políticas equivocadas, adotadas para satisfazer critérios políticos, comprometem a vida de todos”, lembra o líder.

“Durante os governos do PT, o Banco Central ficou à mercê das vontades do Palácio do Planalto, mexeu na taxa básica de juros para satisfazer a necessidade política dos interesses do governante de plantão”, afirma Rodrigo Garcia. “O que se viu foi a subida da inflação, alta que chega à mesa de cada consumidor, de cada pai de família e compromete o orçamento familiar de todos”, completa.

Segundo o deputado Rodrigo Garcia, os termos do texto que será debatido ainda estão sendo analisados. Ele acredita, no entanto, que o foco é a garantia da estabilidade de preços e a estabilidade financeira do País.

“Sou favorável. Acredito que a autonomia do Banco Central garante mais segurança às políticas econômica e monetária. Nós não podemos confundir autonomia com independência. A autonomia vai dar a liberdade, a segurança e o tempo necessários para que o Banco Central execute a política monetária nacional que é determinada pelo governo”, completa.

COMENTÁRIOS (0)

Os comentários estão fechados!

ATUAÇÃO

Rodrigo Garcia defende autonomia do Banco Central

Tendo em vista a importância de se impedir interferências políticas que comprometam a taxa de juros e provoquem a elevação dos índices de inflação, o líder do Democratas na Câmara, deputado Rodrigo Garcia (SP), defende a aprovação do projeto que trata da autonomia do Banco Central.

A discussão sobre a autonomia da autoridade monetária pode avançar nesta semana, quando a Câmara avalia o Projeto de Lei Complementar (PLP) 200/1989. “Embora o tema pareça distante da realidade das pessoas, políticas equivocadas, adotadas para satisfazer critérios políticos, comprometem a vida de todos”, lembra o líder.

“Durante os governos do PT, o Banco Central ficou à mercê das vontades do Palácio do Planalto, mexeu na taxa básica de juros para satisfazer a necessidade política dos interesses do governante de plantão”, afirma Rodrigo Garcia. “O que se viu foi a subida da inflação, alta que chega à mesa de cada consumidor, de cada pai de família e compromete o orçamento familiar de todos”, completa.

Segundo o deputado Rodrigo Garcia, os termos do texto que será debatido ainda estão sendo analisados. Ele acredita, no entanto, que o foco é a garantia da estabilidade de preços e a estabilidade financeira do País.

“Sou favorável. Acredito que a autonomia do Banco Central garante mais segurança às políticas econômica e monetária. Nós não podemos confundir autonomia com independência. A autonomia vai dar a liberdade, a segurança e o tempo necessários para que o Banco Central execute a política monetária nacional que é determinada pelo governo”, completa.

COMENTÁRIOS (0)

Os comentários estão fechados!